Uma família com esperança #8

Há quem me diga que nos vamos habituando às despedidas. Desconfio.
Em junho, quando o Luís foi pela primeira vez, fiquei meio apalermada e, talvez porque estivesse sempre gente à nossa volta, as lágrimas faziam nó na garganta e não saltavam tão facilmente. Desta vez, pareciam rios a correr pela minha face e por mais que eu quisesse, não paravam. Para ajudar à festa, ou seja, para que chovesse ainda mais nos meus olhos, mal entrei no carro começou a tocar esta música.



Dilúvio total. Mas fez-me bem.
A verdade é que não há maneiras iguais de viver as situações. Nós, mulheres, temos maneira de viver o nosso desgosto de maneira diferente e a nossa capacidade de sofrimento não se mede em quantidade de lágrimas. Não foi por ter chorado mais que sofri mais. A despedida doeu (e continua a doer) das duas vezes. Mas eu, como a grande maioria das mulheres, sou forte. E continuo a viver, adapto-me à situação, faço tudo para que os meus rapazinhos tenham o lar equilibrado que sempre conheceram, continuo a preocupar-me com a minha aparência, a viver.
Nem poderia ser de outra forma. Estamos separados pelos quilómetros, mas continuamos cada vez mais juntos.

3 comentários :

  1. Muita esperança e muita força!
    Beijinhos,
    Paula
    vidademulheraos40.blogspot.com.

    ResponderEliminar
  2. As despedidas nunca sao faceis querida, nunca, eu fico sempre meio apalermada quando deixo os meus pais no aeroporto em Lisboa mas, uma coisa e certa... tudo fica bem e o vosso amor fica mais forte a cada dia.

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  3. Aceitar as situações, que nos acontecem na vida ,por vezes é a melhor solução.
    Haja esperança, porque amor aqui não falta.
    Família Benfiquista

    ResponderEliminar