O minuto mais angustiante da minha vida...

Pensei um bocadinho antes de escrever este post. Escrevo ou não escrevo? Desde ontem que sentia necessidade de escrever ( sim, acreditem que pode ser terapêutico), mas estava com dúvidas pois é algo pessoal e receio que pensem que ando à procura de elogios.
Pesados os prós e contras, acho que valia a pena escrever para alertar quem por aqui passa e quanto à questão dos elogios também está resolvida: é que naquele minuto mais angustiante da minha vida, havia uma força superior acima de mim que ajudou a que tudo terminasse bem. Ou se acredita ou não; eu tenho a sorte de acreditar.

Pois bem. Deixando-me de rodeios, eu conto o que aconteceu.

O J. é um menino de dez anos que sei que foi muito desejado (nasceu após quinze anos de tratamentos para fertilidade), olhos azuis brilhantes e uma palerma mania de meter canetas, fechos de casacos e lápis na boca. Já tinha sido avisado vezes sem conta, já lhe tinha contado histórias de engasgamentos, mas nada parecia resultar. 

Ontem, a aula decorria normalmente, enquanto  eu circulava por entre as secretárias, ouço um barulho terrível e vejo o J. engasgado, os olhos em órbita, com muitas dificuldades em respirar. Foi então com uma energia incomum que eu iniciei as manobras de Heimlich. Foi um minuto ( nem sei se foi mais ou menos) terrível, em que eu não conseguia parar de fazer as manobras enquanto ouvia os gritos dos restantes alunos que ficaram em pânico e a imagem da mãe do J. não saía dos meus olhos. Sei que gritei para que chamassem alguém e mesmo quando sentia que o J. desfalecia, não parei. Valeu a pena. Da boca do J.voou então um clip vermelho que lhe estava a dificultar a respiração.

Entretanto chegaram os meus colegas e o J. começou a respira normalmente. Foi só aí que as forças me abandonaram e eu senti que desmaiava quando o J. a tremelicar balbuciou "A stora salvou-me a vida". Não desmaiei, mas aqueles momentos não me saem da cabeça e sinto o corpo partido.
Tudo acabou bem, mas acho que o workshop  de primeiros socorros para crianças que frequentei este ano contribuiu. Assim, como uma energia desmedida que se apoderou de mim. E uma estrelinha que não o/nos abandonou.

E, porque a informação nunca é demais, fica aqui um vídeo  a que espero que a vossa memória nunca tenha de recorrer.


12 comentários :

  1. Bolas...até fiquei de lágrimas nos olhos...
    E nem de propósito amanhã vou fazer uma formação de 1ºs socorros - por vais de nomeação de socorrista, caso aconteça alguma coisa na empresa!

    ResponderEliminar
  2. Parabens e obrigado pela sua acção. Espero que nunca mais tenha que lidar com nenhuma situação destas, o que nao sua profissao é impossivel. Eu também acredito ;)

    ResponderEliminar
  3. Ja vi Sofia, porque nao acontece so aos outros
    parabens pela coragem nao sei como reagiria numa situacao dessas
    bjinhos

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida uma formação que qualquer pessoa deveria ter.
    Contra mim falo que não tenho. :(
    Um grande beijinho*
    MR<3

    ResponderEliminar
  5. E por vezes penso "Como é que o professor passou a inimigo público nº 1?"
    Obrigada pela dica! Nem sempre pensamos que algo deste género poderá acontecer na nossa sala de aula...mas o facto é que acontece! Parece-me que o J. teve um anjo da guarda atento! Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Os elogios existem para ser dados. Este é um desses casos. Quando deixamos os nossos filhos na escola esperamos sempre que cuidem deles como se fossemos nós mesmo a cuidar. Afinal de contas os professores, na maioria dos casos, são quem passa mais tempo com eles durante o dia. Infelizmente, nem todos têm determinadas capacidades mas já vi que não é o seu caso. Fiquei emocionada com o que li, não tanto pelo que fez (que foi, sem dúvida, da máxima importância) mas pela maneira como o descreveu. A mãe do J. estará eternamente grata e nós também por estas informações que são sempre fundamentais e que muitas vezes ficam para segundo plano.
    Elogios mais do que merecidos.

    ResponderEliminar
  7. Eu não disse que não consigo vir aqui sem chorar? Tens sempre um texto que me toca! Que susto.

    ResponderEliminar
  8. Tiveste sangue frio e auto-controlo da situação. Um bem-haja. :)

    ResponderEliminar
  9. Eu estou aqui a pensar no que escrever e o que me vem à cabeça, é única e exclusivamente elogios...
    GRANDE MULHER... e para mim uma heroína!
    Beijinho enorme**

    ResponderEliminar
  10. Bravo Sofia! és a heroina de uma criança e de uns pais certamente. Na vida tudo tem um sentido. Espero que nunca mais te encontres de novo nessa situação mas parabéns pelo sangue frio e a calma com que agiste!

    ResponderEliminar
  11. Há muito tempo que passo por aqui, há muito que me apeteceu comentar. Perdi sempre a coragem...
    Sou mãe de tres filhos que têm a sorte de ter a Prof.Sofia na sua vida. Tento sempre agradecer a todos que contribuem para a educação dos meus filhos, mas fico sempre com a sensação que agradeço pouco.
    Sim Sofia, és especial e obrigada por estares na minha vida há muitos anos... quantos não interessa nada, parece que foi ontem. Estes garotos já te "adoravam" desde o primeiro dia. Ficaram mesmo em panico, os teus e os das salas ao lado...Felizmente correu tudo bem. Eu o J e todos agradecemos a coragem e a prontidão da resposta. Um grande abraço

    ResponderEliminar
  12. Obrigada por partilhar este acontecimento tão marcante connosco. Marcante para si que o vivenciou e, para nós leitores, pois não consegui lê-lo sem me emocionar muito. É com certeza uma Professora- Coragem. Os seus alunos terão o maior orgulho em tê-la como Professora e Anjo da Guarda.Parabéns!

    ResponderEliminar