A certeza da vida e a minha vida como ela é...


Para um apaixonada por palavras cruzadas,o último bolo de aniversário e eu e a minha irmã na festa de anos dele.

Ontem, o corpo do meu tio-padrinho partiu. Juntou-se a um filho querido, à mãe e aos irmãos. Foi só o corpo que partiu, o seu exemplo de doçura, de luta e de sentido de família perdura. Contudo, mesmo sendo eu uma mulher de fé e de ter rezado muito para que ele partisse em paz, é impossível não me sentir triste por antecipar as tantas saudades que vou/vamos ter dele.

Aqui na blogosfera, não é muito provável que o conheçam, mas na vila onde moro toda a gente sabe quem é o Artur Francisco, o Artur Capela, o Artur que foi presidente da Junta, o Artur que foi Vereador da Câmara de Leiria, o Artur dos Seguros, o Tio Artur. Podem é não saber que ele trilhou o seu percurso com uma garra incomum: estudou à noite, fez-se homem, lutou por tudo o que acreditava,tinha sempre um cumprimento e as palavras boas não o assustavam. Partiu, rodeado de amor, nos braços da filha, em paz... 

Quem conhece a minha família, um verdadeiro clã onde só nós é que podemos dizer mal de nós próprios, que quando se junta fala muito alto, que ri das coisas mais improváveis, sabe que nos sentimos todo um pouco órfãos. Têm sido muitas perdas em tão pouco tempo...o meu tio António, o meu pai, o meu tio Fernando, agora o meu tio Artur... Sabemos todos que é assim que tem de ser, que os mais novos devem chorar os mais velhos, que a morte é a certeza da vida, mas custa sempre...

E, para já, não tenho muitas mais palavras...só me consigo lembrar dos livros dos Cinco que me ofereceu, de quando me confessou que só vendia um carro xpto que ele tinha depois de me conduzir ao meu casamento, de quando eu lhe disse que gostava muito dele e dele me dizer o mesmo, de como eu gostava de aparecer por trás dele, no café, e de o surpreender com dois beijinhos... Afinal, são as memórias que ficam. Eu sou uma sortuda por ter  montes delas e, por ter descoberto a tempo, que a vida só vale a pena ser vivida a construir pequenos grandes momentos que manterão, no nosso coração, as pessoas de quem sentimos a falta.

 O meu tio partiu, mas vive.

7 comentários :

  1. E essas pessoas nunca partem totalmente... perduram no exemplo e em tudo aquilo que deixam em nós. Um beijinho para ti!

    ResponderEliminar
  2. Um beijinho especial Sofia!
    Manuela

    ResponderEliminar
  3. Um Beijinho grande Sofia!
    MR<3

    ResponderEliminar
  4. Vive e continuará a viver no coração daqueles que o rodearam toda uma vida de trabalho e de dedicação. A Comunidade que recebeu o fruto da sua vida guarda-lo-à na memória.

    ResponderEliminar
  5. E quando o coração aperta, não há palavras suficientes. Resta deixar um abraço.

    ResponderEliminar