Eu e a cidade grande ou a complicadinha que eu sou!

Resultado de imagem para pinterest amelie poulain



No próximo fim de semana estarei em Lisboa a fazer uma formação sobre Blogues e Lifestyle com o Ricardo Martins Pereira, autor do blogue O Arrumadinho. Já há muito tempo que queria fazer, mas surgia sempre algo: ou porque o Luís não estava, ou porque os miúdos precisavam mesmo de mim, ou porque tinha compromissos... Desta vez, quando me telefonaram, olhei para o Luís e disse que queria mesmo ir. Inscrevi-me, planeei tudo (há sempre muita coisa para organizar desde equipamentos de futebol, roupas lavadas e aulas preparadas para a semana seguinte...), disse que não a outros eventos e hoje irei rumo a Lisboa. Fico lá esta noite sozinha e será a primeira vez que o faço em Portugal... perguntaram-me se não me importava de ficar sozinha e eu disse que não. A verdade é que gosto da minha companhia e sei que me vai saber bem estar sozinha com os meus pensamentos, mesmo que por poucas horas.
Agora, há algo que me preocupa... Sempre que vou a Lisboa, nunca consigo de me deixar de sentir uma miúda que vai à cidade grande. Antigamente, era pior ainda. A idade, felizmente, tem-me dado  alguma segurança, mas sinto sempre que toda a gente repara como eu olho tudo à minha volta, como eu sorrio demais, no meu ar apalermado (ou deslumbrado, talvez)...
Antigamente, eu achava que sofria de um complexo tipo Calimero, agora já não é bem isso... Agora é como se, mesmo com roupas iguais ao que usam em Lisboa, com corte de cabelo atual e maquilhada, eu não pertencesse ali de todo.

Eu acho que deve ser porque, mesmo eu tendo consciência que por fora me misturo na multidão, no meu íntimo eu sei que só sou eu própria quando sou a Sofia que vive numa aldeia em que todos sabem quem sou.

Pode ser que desta vez seja diferente. Veremos. Eu dir-vos-ei!

2 comentários :

  1. A cidade grande... não tão grande quanto isso.
    A gente anda por lá a pensar que ninguém nos conhece, ao contrário do que diz a Sofia, e, por isso, com a oportunidade de observarmos coisas e pessoas calmamente... De repente, alguém surpreende-nos com um "também andas por aqui?" Aconteceu-me ontem à entrada da Gulbenkian.
    Boa estadia e proveitosa formação.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  2. A cidade grande... não tão grande quanto isso.
    A gente anda por lá a pensar que ninguém nos conhece, ao contrário do que diz a Sofia, e, por isso, com a oportunidade de observarmos coisas e pessoas calmamente... De repente, alguém surpreende-nos com um "também andas por aqui?" Aconteceu-me ontem à entrada da Gulbenkian.
    Boa estadia e proveitosa formação.
    Boa noite.

    ResponderEliminar