A vida é tão fugaz




Morreu o cantor Beto. Com quarenta e três anos. De avc... três letras apenas, mas que encerram e me trazem sempre memórias de dor e sofrimento. Eu não era sua fã número um, mas admirava a sua força e persistência por lutar pelo seu sonho de viver de e para a música, o que se sabe não ser tarefa fácil em Portugal... 

Hoje, depois de ter passado o dia em família, de ter constatado ( e de me ter assustado) mais uma vez que há tantas pessoas que amo que estão a envelhecer tão depressa, de ter ficado tão feliz por ter visto o meu pai a entrar numa dança de família, mesmo que com a sua cadeira de rodas, fiquei triste com a morte do Beto e só me resta lembrar ( e já agora aproveitar para lembrar quem me lê) de que a vida é muito fugaz... 
 Carpe diem!


17 comentários :

  1. Não fazia ideia!!
    Quando foi? Estou mesmo alheia, à toa!

    E cada vez mais com a certeza que realmente a vida é DEMASIADO curta.

    Vivam, vivam muito. Hoje, tudo!
    Amem e digam que amam, sem pudores.

    :(

    Beijos de boa semana que se avizinha.

    ResponderEliminar
  2. Sem palavras... Contudo só consigo dizer que já vive de perto uma situação parecida! A minha mãe há um ano e meio teve um AVC e desde então nada nunca mais foi igual!

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Fiquei muito triste com a notícia como fico sempre que vejo alguém partir sem aviso e ainda por cima tão jovem. A vida é realmente assustadoramente fugaz e temos de aprender a não a desperdiçar, o que nem sempre é fácil e sobretudo a não perder tempo com guerras com quem mais amamos porque hoje estão cá, amanhã quem sabe...Aprendi isso quando perdi o meu pai... Bjos

    ResponderEliminar
  4. Tb fiquei triste...fico sempre chocada com a morte de pessoas muito jovens, com tanto ainda por fazer, por conquistar...e fico assustada porque estes avc vêm de surpresa e num segundo roubam a vida ou deixam muitas vezes as pessoas totalmente incapacitadas! Temos de aproveitar a vida todos os dias, demonstrar o quanto gostamos de alguém, pois como dizes a vida é fugaz e efémera. Bj linda!

    ResponderEliminar
  5. Tb estou triste....a vida é sim fugaz...muito!

    (Gostei de saber do teu segredo, vai lá...tb escrevi o meu)

    bjs

    ResponderEliminar
  6. Ainda estou em choque com a morte do Beto, quer gostemos ou não do trabalho dele a verdade é que estas noticias são sempre muito tristes e de facto deixam-nos sempre a pensar na vida...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Ainda estou arrepiada com a leitura deste post.
    Estas coisas são mesmo assustadoras =(.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Foi, realmente, uma notícia muito triste. Ele tinha apenas 43 anos, pode mesmo acontecer a qualquer pessoa...
    kiss

    ResponderEliminar
  9. Tens toda a razão. E nós por vezes esquecemo-nos disso e há dias em que parecemos meros robots e não aproveitamos o dia, o presente, como se este fosse o último, sim porque nunca sabemos quando será!
    Por isso, há que viver bem todos eles!
    Bj**

    ResponderEliminar
  10. :(
    É mesmo para pensar no nosso ritmo de vida, nas coisas essenciais que deixamos para depois porque agora temos de nos coupar das técnicas ... e se não houver depois?
    Beijos grandes

    ResponderEliminar
  11. Sem a menor dúvida, Sofia! E nunca nos esquecermos de fazer sentir às "nossas pessoas" que as amamos!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Tenho medo.
    É só o que posso dizer, estas situações agoniam-me, angustiam-me e dão-me mais do que medo (qual é a palavra ?)
    Beijinhos e concordo: carpe diem

    ResponderEliminar
  13. Carpe Diem,sem dúvida...saborear o sol que está hoje,acarinhar quem está connosco hoje.Não dar importância ao que não interessa nada.E amanhã,logo se vê...

    ResponderEliminar
  14. É nestas alturas que fico cheia de medo e tenho plena consciência que por vezes não valorizo os simples prazeres da vida.

    Beijoca

    ResponderEliminar
  15. A morte dos outros faz-nos sempre sentir angústia e pânico, porque intimamente percebemos que poderíamos ser nós ou alguém muito ptóximo.
    Temos que amar muito sim, e aproveitarmos da melhor maneira o tempo que estamos aqui e as pessoas que mais amamos. Penso nisso todos os dias desde que perdi a minha mãe.

    ResponderEliminar
  16. Tens toda a razão a vida é demasiado incerta...

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  17. Eu fiquei pasma quando li no jornal. tão novo , cada vez se morre mais cedo. kis :(

    ResponderEliminar