André

Um pneu que rebenta. Um autocarro desgovernado. No local errado e à hora errada. Uma vida que acaba. 
Podia ser qualquer um de nós, mas foi o André. O André de olhos luminosos e sorriso reguila. O André que tinha apenas vinte e quatro anos, que era uma pessoa boa, que tinha casado há menos de um ano e que tinha tantos planos.

O André foi meu aluno e eu tenho o coração apertado. Imagino, mas sei que não consigo nem chegar perto, a dor dos pais, do irmão,da sua companheira, dos muitos amigos que tinha.

Fica aqui a minha singela homenagem ao André e a todos aqueles que partem assim, de uma forma tão injusta e dolorosa. E a quem passa aqui (re)lembro, aproveitem cada dia porque, como tão bem sabem, a vida é tão, tão fugaz...

19 comentários :

  1. Nestes momentos faltam as palavras...

    ResponderEliminar
  2. Nem sei o que dizer...a vida é mesmo injusta...um beijinho e um abraço apertado!

    ResponderEliminar
  3. Oii!
    Adorei teu blog!!
    Entra no meu??
    E, se interessar, me segue? *-*
    beijos
    Pri

    @prikuwer
    http://sbpri.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Nestes momentos faltam sempre as palavras... coragem ;)

    ResponderEliminar
  5. Faltam as palavras.. aprendemos que devemos viver cada dia com quem mais gostamos e apreciar a sua presença! Nunca sabemos o dia de amanhã!

    ResponderEliminar
  6. Que morte lamentável...é triste de facto...nem tenho palavras para quão injusto é.

    Beijinhos e força

    ResponderEliminar
  7. Que ele esteja num lugar melhor, em paz e sem sofrimento.
    Lamento a situação. A vida é tão injusta.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que triste, nem quero imaginar a dor dessa família. A vida pode ser muito cruel.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. É uma história tão triste e comovente, não há muitas palavras...

    bjo

    ResponderEliminar
  10. Há uns anos atrás, durante as férias do Natal, uma avó decidiu levar os netos (quatro) a Aveiro para lhes comprar as prendas. Entre eles estava o Tiago, um aluno meu, de dez anos, pequenito, fofito e que costumava andar com um casaco de penas tão volumoso que eu lhe chamava Power Ranger... A avó teve um acidente. Morreu ela e morreu o meu Tiago. Ainda tenho guardado um trabalho feito por ele e que nunca tive oportunidade de lhe entregar...

    ResponderEliminar
  11. A vida é mesmo fugaz. Lamento.
    Bjokas.

    ResponderEliminar
  12. Até custa pensar como tudo pode terminar em segundos...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Lamento Sofia, é como dizes, podemos imaginar mas não chegamos nem perto da dor que deve ser para os pais e restante família :( Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Lamento Sofia. A vida é estranha...tudo muda num instante!Cada vez mais me convenço disso!

    ResponderEliminar
  15. Foi doloroso dizer-lhe adeus...
    Foi difícil observar a dor dos pais, do irmão, da Joana... Estar ali sem poder fazer nada...
    A vida prega tantas partidas... O André era grande, em tudo! De outra forma não teria tantos amigos para se despedirem dele!
    Parece que cá na nossa "terrinha" esta geração está destinada a perder um elemento em cada ano que passa! A vida é demasiado curta para quem merece :(
    Beijinho Professora Sofia de há muitos anos!

    ResponderEliminar
  16. E isto deixou-me com um nó na garganta... nem consigo imaginar a dor da mulher, família, amigos... Que tenham força, é tudo o que consigo dizer.

    ResponderEliminar
  17. Os meus sentimentos Sofia, não há palavras para uma situação destas...

    Kiss*

    ResponderEliminar
  18. Até fiquei sem palavras ao ler o teu texto. É incrível como de um momento para o outro não somos nada nem ninguém, tudo muda. É a fragilidade da vida. Muita força para a família!

    ResponderEliminar
  19. Minha querida...não deveria ser permitido, não mesmo...
    Beijinho

    ResponderEliminar