Amigos, amigos...divórcios à parte?

Divorce Cakes (30 pics)
E num divórcio, é possível ser verdadeiramente amigo das duas partes? É difícil, confesso. Quem está de fora costuma dizer que numa separação a culpa é sempre dos dois, mas quando estamos só com um dos envolvidos  parece que, mesmo sem querer, tomamos um partido. 
Eu gosto de acreditar que o tempo cura tudo (ou quase tudo) e não sou muito de tomar partidos. Acho que sou assim porque é mais fácil, porque não gosto de me envolver nos assuntos dos outros, porque não acho certo entrar na intimidade do que foi (é) um casamento.
No entanto, nunca esqueço que há uns anos me disseram que o que eu pensava não estava certo, que eu me deveria envolver mais. Talvez devesse, talvez ao afastar-me e procurar ser racional não esteja a ser uma amiga verdadeira. Egoísmo da minha parte? Sim. Mas ninguém é perfeito e com tanta separação que tem acontecido à minha volta, este foi o modo que escolhi  para lidar com a(s) situação(ões). 
Contudo, a verdade é que tenho dúvidas se estarei a agir da melhor maneira ou se serei eu que, neste assunto,  emocionalmente me divorcio.

12 comentários :

  1. Sabes, independentemente da amizade e querer, ou não estar mais presnte ou ausente, o facto é que quem está dentro, é que sabe o que lá vai dentro (casal). Contra factos, não há argumentos!
    Põe-te à margem. Concerteza que não se é mais, ou menos amigo por se "meter" nos assuntos alheios!

    Kiss

    ResponderEliminar
  2. Querida Sofia, eu não consigo fazer como tu. Neste momento uma das minhas grandes amigas está em processo de divórcio e eu tomei o partido dela, incondicionalmente. Na realidade, ela é que é minha amiga. Ele, era simplesmente o marido dela.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Olá Sofia
    Estou a passar por um momento de separação, e posso garantir-te que é das coisas, mais difíceis de passar. E já não é a 1ª vez que passo por isto. Mas também te garanto, que, para além, claro dos meus pais e até do meu filho, são os amigos, que me ouvem, que me dão o seu ombro para explanar tanta mágoa guardada, que me têm dado força para continuar calma e com o fair-play necessário até ele(a coisa)sair de casa e de cena.
    Ser indiferente, não se querer envolver, parece-me egoista. Parece-me, e não leves a mal, cobarde. Não imaginas o que uma pessoa sente, qdo está mesmo lá no fundo e há alguém que te diz. "Ainda bem! Até que enfim! Tu já não eras a nossa VE" e tu...que pensavas que iriam dizer: "Sério? Mas ele é tão simpático e boa pessoa...." e também pensavas: "mas..será q a culpa é minha? Será que não presto? É que já não é a primeira vez..."
    Sofia, qdo estamos bem, quando estamos felizes, toda a gente gosta de nós e nos apoia, até o homem do tanho, pois somos simpaticas para ele e pedimos-lhe "um quilo de bifes, se faz favor" com um sorriso aberto. Agora, as nossas fraquezas, os nossos defeitos, só os amigos os conseguem aceitar...
    Não te demitas de ser amiga. Quando se é amiga, é-se...e ponto.

    Beijinho Sofia, e Feliz Ano Novo.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que depende da relação que se tem com ambos os envolvidos... Por exemplo, se uma amiga minha se separa e o marido é alguém com quem tenho uma relação apenas de circunstância, ou seja, dou-me com ele porque é marido dela, claro que fico do lado da minha amiga, desligando completamente do outro lado, sem chatices.
    Mas nos últimos dois anos tive de conviver com dois divórcios de dois casais bastante próximos. Um, inclusive, fui eu quem "os divorciou", no que se refere à parte técnica da coisa, o que bastante me custou. Tanto elas como eles eram amigos. Nesses casos, foi uma questão de me mostrar sempre disponível para ambos, ouvindo cada um deles em separado, sem tecer juízos de valor, apenas emprestando um ombro amigo e nunca me afastando de nenhum deles. Simplesmente agora sou amiga de todos... autonomamente e não em casal.

    ResponderEliminar
  5. são situações tão complicadas eu faço como tu.. distancio-me, não dos amigos, mas do assunto!

    ResponderEliminar
  6. Eu acho que nunca se consegue ser completamente imparcial, nem nunca sabemos tudo das duas partes, há sempre 2 versões de cada história... por isso eu optaria pelo mesmo que tu, não me meter. Bjinho e bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  7. Nem imaginas a coincidência!!! Ontem estivemos com uns amigos e ela já bem alegre com uns copitos a mais vira-se para nós e diz: "Vocês sabem que só sabemos quem são os nossos verdadeiros amigos depois de uma separação? (silêncio...) Por isso se eu e o Pedro nos separássemos com quem é que vocês combinavam coisas?!"

    E juro que aquilo me fez pensar...

    ResponderEliminar
  8. Gostava, juro, de dizer o que penso, mas....não posso....
    Bjo

    ResponderEliminar
  9. Sofia, a minha opinião é: "Sê tu própria e age de acordo com a tua consciência."
    O que os outros dizem e pensam é com eles porque em situações difíceis é muito fácil julgar mas quando estamos na situação em si é muito complicado.
    Beijoca e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. Não achas que se eles fosse, mesmo teus amigos, permaneceria, juntos, só para te evitar esse constrangimentos? Ai estes amigos... Só pensam neles...

    ;)

    PS: Preocupa-te antes em não provocar esse tipo de constrangimentos nos teus amigos. Longa vida para o teu casamento. Saúde e harmonia para os teus.

    ;)

    ResponderEliminar
  11. Olha temos um casal amigo que se divorciou à pouco, continuamos amigos dos 2 como sempre, resolvemos não tomar partidos.
    Se eles não se dão não vejo motivos para o divorcio incluir amizades.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Adorei o artigo! Ilustra na perfeição o que muitas de nós passamos..

    ResponderEliminar