De volta ao Liceu-parte II- A Fenanda

Tumblr_mld55egvhw1s3pmo1o1_500_large
Quase quatro da manhã. Miúdos a dormir em casa de amigos e eu com  o coração cheio à espera de senhor dom marido que tinha ido a jantar da Queima, em Coimbra. 
Adorei o reencontro com as minhas amigas do secundário e  de recordar cada história passada (não tinha ideia de me portar assim tão mal). Falei alto, gargalhei muito, mas vim de lá com o estômago às voltas.



Foi a Patrícia que me contou, não para invocar tristezas, mas para lembrar a Fernanda.
 A Fernanda foi da minha turma no 12º ano, vinha de Pombal para Leiria todos os dias, era doce, esguia, de porte elegante e tinha uns meigos olhos. Eu nunca mais tinha sabido dela, mas recordava-a bem. E a história que ouvi não me saiu/ sai da cabeça.

A Fernanda tinha morrido. Estava grávida do segundo filho quando descobriam que tinha, para além de um bebé a crescer, um estúpido de um tumor cerebral no cérebro. A Fernanda escolheu o filho que ainda tinha dentro de si. Disse não à operação e à quimioterapia e, após dar a  vida, ficou sem a sua.



E, mesmo às quatro da manhã, mesmo em dia de festa e tal, eu precisava de lhe  contar tudo isto... Terminei a história dizendo-lhe " Não é uma história tão triste, Luís?"
Ele nem hesitou " Não. É sim uma história de coragem."



E hoje, dia da mãe, este post parece fazer ainda mais sentido...

7 comentários :

  1. Essa é também a história da minha prima, sem tirar nem pÔr. Os verdadeiros heróis deste mundo não surgem nas televisões...

    ResponderEliminar
  2. Lindo... e o Luís tem razão...

    ResponderEliminar
  3. Amor incondicional, querida Sofia!
    Beijinhos grandes e resto de um feliz dia da Mãe, para ti.

    ResponderEliminar
  4. Tem razão o teu marido e tens tu também. É uma história de coragem, mas triste...

    ResponderEliminar
  5. Feliz dia da Mãe.

    ResponderEliminar