África Nossa #6

Já há uns tempos que o Luís andava com vontade de comer ostras. E foi este fim-de-semana. Segundo ele, aquecem-se em brasas  e depois regam-se com sumo de limão. 
Foram compradas a crianças que as apanharam no momento. Eu acho que se tivesse assistido, as ostras já não me iriam saber tão bem.
 Sei que essa é uma das razões porque o Luís me está sempre a dizer que em África a realidade é diferente e quando formos lá (em princípio no verão) vou ter de ter mente, horizontes e coração bem mais aberto...










6 comentários :

  1. Sou uma das leitoras que a lê a partir de Luanda e posso dizer-lhe que de facto quando chegamos aqui a nossa maneira de pensar e até de agir muda! Porque tem de mudar até para nossa defesa, não só física como psicológica...pode parecer estranho para quem nunca conheceu uma realidade assim, mas tem mesmo de ser! Muitas vezes para se conseguir viver o dia a dia ficamos mesmo insensíveis e muito pouco humanos para com os outros!

    ResponderEliminar
  2. Eu vivi em Luanda até ha duas semanas. Se não se endurece...não se sobrevive. É mesmo a lei do mais forte, fisica e mentalemente. Mas tudo se supera, coragem!

    ResponderEliminar
  3. A maneira mais natural de comer as ostras é com sumo de limão sim... mas cruas, sem as aquecer ;-)
    Também são muito boas com vinagre de vinho e echalota picada ;-)

    ResponderEliminar
  4. que fotos lindas e sempre ajudou os negócios locais!

    ResponderEliminar