Adultez

Love


Às vezes acho que só agora é que sou verdadeiramente adulta. Aos quase quarenta e quatro anos de idade. É estranho, mas é verdade. Quase como se até agora o que eu tivesse vivido fosse uma caminhada preparatória para este estado de adultez (esta palavra não existe, pois não?) em que agora vivo.

Agora consigo compreender muito melhor o que é ser de meia-idade e sei que isso não tem nada a ver com aspeto físico. Eu acho que é uma idade em que passamos a estar não só atentos aos mais novos, mas  prestamos especial atenção aos mais velhos. 
Dou por mim agora a prestar muito mais atenção a uma pessoa mais velha do que a uma criança. Os bebés são lindos e muito fofinhos, mas é tão mais fácil ganharem atenção do que alguém cheio de rugas no rosto. Ofereço agora muitos mais beijos, abraços e sorrisos aos mais velhos e dou por mim a dizer aos outros para serem pacientes e tratarem bem os seus velhos.
Se calhar porque procuro um pedacinho do meu pai, ou então porque crescer (também) é isto. 

2 comentários :

  1. Quando se começa a chegar a uma idade em que as pessoas que mais amamos estão numa idade avançada, é normal nos querermos agarrar a elas mais do que aos pequenos a quem sabemos que vamos ter anos a fio. Ser "o mais velho" não é posição que nenhum de nós queira a certa altura. Pois sabe sempre bem receber aquele colo de mãe ou pai...a ideia do nosso colo ser aquele que todos procuram...é responsabilidade a mais.

    ResponderEliminar
  2. Do meu ponto de vista, e só mesmo nesse ponto, creio que isso é MADURIDADE, não tem a ver com a idade, pois cada um tem o seu ritmo próprio para lá chegar!!!

    ResponderEliminar